quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A Lei Maior na Ótica Espírita



Há muitas moradas na casa do meu Pai...disse Jesus... Mestre por excelência. No Planeta em que vivemos as nossas experiências são purificadoras...
 Com esta afirmativa falava Jesus para a prosperidade, alertando que não só o plano físico é transformado, mas que, cada partícula, como um astro físico, tem a sua trajetória, o seu papel, o seu caminhar até atingir a perfeição, possível de ser alcançada pela criatura...

Em torno destas considerações é preciso relembrar que cada ser, por ter um arcabouço e uma identidade diferentes do outro ser, constrói e constitui o seu próprio mundo, que jamais será igual a outro ser...

Na Medicina legal diz-se: não há duas impressões digitais iguais. Com essas afirmativas pretende-se apenas reafirmar que um ser não pode nem jamais será igual a outro ser, durante o processo de evolução. O vulgo ou um ditado antigo: cada cabeça uma sentença...

Diante deste fato, como estabelecer padrões de comportamento?
Diante da impossibilidade de proceder-se a classificação de cada individualidade, pois as diversidades variam ao infinito, conforme cada um, estabelecem- se faixas ou intervalos de classes, integradas por grupos de individualidades afins, ás quais representam determinado tipo de comportamento...

A Doutrina nos ensina, sobre o comportamento desejável, adequado ou não, será dentro deste prisma Universalista, considerando a realidade do espírito encarnado com origem na Terra ou imigrantes de outros Orbes. E que em todas, as formas podem variar, mas a essência e o fundo serão sempre a expressão e a expansão da Lei de Amor...

Do ponto de vista das escolas religiosas como a Doutrina Espírita, que a Lei de Deus a Lei Natural no seu aspecto moral é uma só para todo o Cosmo e a mesma energia imanta toda a Criação no infinito do espaço e tempo, contudo as leis físicas e biológicas serem variáveis e apropriadas ao desenvolvimento e ás necessidades de cada Orbe
A Lei Maior: Amor, Atração e Organização, geradora da harmonia, equilíbrio, perfeição. Esta sim, é Lei Única, simples e imutável em todos os pontos, níveis e quadrantes da Criação...

Por esta razão, apenas os espíritos classificados como puros na expressão de Kardec, e apenas o evoluído no conceito de Ubaldi, podem volitar livres no infinito do espaço e tempo, uma vez que livre da influência da matéria, livres, portanto, dos efeitos das leis físicas e biológicas aí não mais sentiram a pressão das leis restritas e circunscritas a determinado trecho do caminho evolutivo.

Bela e grandiosa meta que estabelece a união dos seres, mas até lá, Senhor, quanto de experiência para viver, o quanto de leis para descobrir e entender, o quanto de obstáculos de diversos níveis para vencer, até que enfim, unido a vontade Maior, sejamos uno com o Pai...

No Planeta em que vivemos exercitam-se vários tipos, nuances ou aspectos de Amor. Há o Amor fraternal, paternal, maternal, o companheirismo, a camaradagem, a afetividade por plantas e animais. São todas estas vivências que conduzem ao pleno Amor...
Entre elas, no entanto, destaca-se na realidade maternal. Nesta prática, o espírito participa com o Criador no ato de criar, aperfeiçoar, melhorar, evoluir. Convidados a exercitar esses ângulos do amor, muitos Espíritos temem e recuam perante está prova...

Quando a alma se conturbou em demasia na trajetória evolutiva, o exercício dessa qualidade de amor ajuda-a a recuperar desafetos, reparar malefícios, criar novos vínculos e laços facilitadores, no futuro.

Nos Livros Espírita, há uma abordagem nestes desvios do comportamento humano, ou problemática, nos seguintes termos: 
 A Mãe, ao receber em seu lar uma criança que lhe aborrece, ela pensa uma de nós já ofendeu ou foi muito ofendida, mas hoje, iluminada pelo conhecimento reencarnatório;
diz: Senhor me de força a vencer os ódios, mágoas, ressentimentos, mas não me isenta das minhas responsabilidades para que eu na condição de mãe, possa sublimar minhas queixas e revolta a liberta-me e também libertando-o com o meu perdão...

A partir do nascimento, suas ideias retomam gradualmente.  As faculdades do Espírito somente se manifestam paulatinamente, de acordo com o desenvolvimento dos órgãos:
O homem, de um modo geral, e o espírita de um modo particular, necessita corrigir a sua visão espiritual para compreender que a Criação Divina consiste na definição e no estabelecimento prévio da lei Maior que é imutável e infalível, como o próprio Criador, por Amor deu ao homem em seu processo de escolhas e decisões, ou seja, pelo livre arbítrio...

Mas, façam o que quiserem, não conseguirão sufocar o germe vivaz que Deus depositou em seus Filhos, no ato da criação...

Esse germe se desenvolve e cresce com a moralidade e a inteligência, e embora frequentemente comprimido pelo egoísmo; agora a fonte das virtudes que constituem as afeições sinceras e duradouras que nos ajudaram a transpor a rota escarpada e árida da existência humana...
Há algumas pessoas a quem repugna a prova da reencarnação, pela ideia de que outros participarão das simpatias afetivas de que são ciosas. Pobres irmãos!

O nosso afeto nos torna egoísta. Nosso amor se restringe a um círculo estreito de parentes ou de amigos, e todos os demais são indiferentes. Pois bem: para praticar a lei do amor, como Deus a quer, é necessário que cheguemos a amar, pouco a pouco, e indistintamente, a todos os nossos irmãos...

Nos mundos superiores, é o amor recíproco que harmoniza e dirige os Espíritos adiantados que os habitam. E no nosso planeta, destinado a um progresso que se aproxima, para a sua transformação social, verá seus habitantes praticarem essa lei sublime, reflexo da própria Divindade...

Os efeitos da lei do amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana e a paz durante a vida terrena. Os mais rebeldes e os mais viciosos deverão mudar, quando presenciarem os benefícios produzidos pela prática deste princípio: Não façais aos outros os que não quereis que os outros vos façam, mas fazei, pelo contrário, todo o bem que puderdes:
Queridos irmãos, utilizai com proveito essas lições: sua prática é difícil, mas delas retira a alma imenso benefício. Crede-me, fazei o sublime esforço que vos peço: Amai-vos, e vereis, muito em breve, a Terra modificada tornar-se um novo Eliseu, em que as almas dos justos virão gozar o merecido repouso... 
O Evangelho é o nosso Código Eterno. Jesus é o nosso Mestre Imperecível...
Repassando
Muita paz com nosso irmão Maior Jesus...

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Pegadas na areia




Uma noite eu tive um sonho...
Sonhei que estava andando na praia com o Senhor, e através do Céu passava cenas da minha vida...
Para cada cena que passava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia, um era o meu e outro do Senhor...
Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia, e notei que que muitas vezes, no caminho da minha vida, havia apenas um par de pegadas na areia, notei, também, que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver...
Isso aborreceu-me deveras...
E perguntei então ao Senhor:
Senhor, Tu me disseste que, uma vez que resolvi te seguir, Tu andarias sempre comigo, todo o caminho, mas notei que durante as maiores tribulações do meu viver, havia na areia dos caminhos da vida, apenas um par de pegadas...
Não compreendo porque nas horas que eu mais necessitava de Ti Tu me deixastes?
O Senhor me respondeu:
 Meu precioso filho, eu te amo e jamais te deixarei nas horas da tua prova e do teu sofrimento...
Quando viste na areia apenas um par de pegadas foi exatamente aí, que eu te carreguei nos braços...
Repassando

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Corpo físico como o conhecemos visão espírita

Desta forma, podemos compreender os dois primeiros capítulos do livro A Caminho da Luz, ditado pelo espírito Emmanuel, sob a psicografia de Francisco C. Xavier. Neste livro, Emmanuel, muito claramente, apresenta Jesus como o divino escultor das formas que serviriam de ferramenta para os espíritos que encarnariam no planeta Terra especificamente.

As formas orgânicas, portanto, não estariam predeterminadas para cada globo, mas seriam decorrentes de processos de verificação das possibilidades e determinação da ou das opções mais viáveis, passando por um período de estudo e testes até a definição daquela mais adequada. Por conseguinte, devemos a um grupo de espíritos sob a orientação e comando de Jesus a elaboração do corpo físico como o conhecemos.

Ainda sob o princípio de que "O Criador atende à criatura por intermédio das próprias criaturas...”, como apresentado no artigo Formação dos Mundos, publicado no Jornal Correio Espírita em agosto de 2014, verifica-se a natureza do processo de Criação das estruturas materiais por parte de Deus, que delega aos seus filhos mais adiantados a possibilidade de evolução dos irmãos menores. Assim, da mesma forma que as leis físicas e químicas são desenvolvidas por Seus prepostos na co-criação de universos, as leis da genética são similarmente elaboradas, sendo específicas para cada orbe em conformidade com os espíritos que ali habitarão.

O desenvolvimento da genética teve início ainda nos seres unicelulares que, com o passar do tempo, foram se associando e estabelecendo o sistema de comunicação entre si. Antes disso, porém, foi necessário considerar todo o processo de nutrição e reprodução celular para que a vida orgânica pudesse ser mantida.

Após esta etapa, as colônias celulares foram se formando, para depois, em agrupamentos maiores, constituírem sistemas complexos, necessários para o estilo de vida orgânica elevada para servirem aos espíritos mais adiantados.

Ainda segundo Emmanuel, foram precisos milhares de anos aos "operários de Jesus", como ele denomina, para a elaboração paciente das formas.

Não podemos negar que as "formas" foram decorrentes de uma "elaboração paciente", pois quem de nós pode imaginar uma tarefa que demore milhares de anos para ser cumprida? Apenas os mais elevados; eles podem vislumbrar uma atividade de tão longa duração, pois são capazes de compreender o tempo infinito, no qual milhares de anos correspondem apenas a uma fração ínfima.

Com o estabelecimento das leis da genética e da estrutura das formas, os espíritos que aqui habitariam formaram seu corpo físico obedecendo a essas leis. São, contudo, os responsáveis pela sua estruturação, que inicia no momento da fecundação do óvulo e termina no desencarne...
André Luiz denominou, no livro Evolução em Dois Mundos, de co-criação em plano menor.
A lei das reencarnações é conforme ao princípio de evolução, aclara-o e completa. Somente, em vez de lhe procurar a causa inicial na matéria, a coloca no espírito, livre e responsável, que por si mesmo através das suas conquistas, constrói as formas sucessivas que revestirá para percorrer a escala magnífica dos mundos...
Léon Denis
Repassando...


Desta forma, podemos compreender os dois primeiros capítulos do livro A Caminho da Luz, ditado pelo espírito Emmanuel, sob a psicografia de Francisco C. Xavier. Neste livro, Emmanuel, muito claramente, apresenta Jesus como o divino escultor das formas que serviriam de ferramenta para os espíritos que encarnariam no planeta Terra especificamente.

As formas orgânicas, portanto, não estariam predeterminadas para cada globo, mas seriam decorrentes de processos de verificação das possibilidades e determinação da ou das opções mais viáveis, passando por um período de estudo e testes até a definição daquela mais adequada. Por conseguinte, devemos a um grupo de espíritos sob a orientação e comando de Jesus a elaboração do corpo físico como o conhecemos.

Ainda sob o princípio de que "O Criador atende à criatura por intermédio das próprias criaturas...”, como apresentado no artigo Formação dos Mundos, publicado no Jornal Correio Espírita em agosto de 2014, verifica-se a natureza do processo de Criação das estruturas materiais por parte de Deus, que delega aos seus filhos mais adiantados a possibilidade de evolução dos irmãos menores. Assim, da mesma forma que as leis físicas e químicas são desenvolvidas por Seus prepostos na co-criação de universos, as leis da genética são similarmente elaboradas, sendo específicas para cada orbe em conformidade com os espíritos que ali habitarão.

O desenvolvimento da genética teve início ainda nos seres unicelulares que, com o passar do tempo, foram se associando e estabelecendo o sistema de comunicação entre si. Antes disso, porém, foi necessário considerar todo o processo de nutrição e reprodução celular para que a vida orgânica pudesse ser mantida.

Após esta etapa, as colônias celulares foram se formando, para depois, em agrupamentos maiores, constituírem sistemas complexos, necessários para o estilo de vida orgânica elevada para servirem aos espíritos mais adiantados.

Ainda segundo Emmanuel, foram precisos milhares de anos aos "operários de Jesus", como ele denomina, para a elaboração paciente das formas.

Não podemos negar que as "formas" foram decorrentes de uma "elaboração paciente", pois quem de nós pode imaginar uma tarefa que demore milhares de anos para ser cumprida? Apenas os mais elevados; eles podem vislumbrar uma atividade de tão longa duração, pois são capazes de compreender o tempo infinito, no qual milhares de anos correspondem apenas a uma fração ínfima.

Com o estabelecimento das leis da genética e da estrutura das formas, os espíritos que aqui habitariam formaram seu corpo físico obedecendo a essas leis. São, contudo, os responsáveis pela sua estruturação, que inicia no momento da fecundação do óvulo e termina no desencarne...
André Luiz denominou, no livro Evolução em Dois Mundos, de co-criação em plano menor.
A lei das reencarnações é conforme ao princípio de evolução, aclara-o e completa. Somente, em vez de lhe procurar a causa inicial na matéria, a coloca no espírito, livre e responsável, que por si mesmo através das suas conquistas, constrói as formas sucessivas que revestirá para percorrer a escala magnífica dos mundos...
Léon Denis
Repassando...

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Essência da Doutrina dos Espíritos



  
 Eis os princípios da Doutrina Espírita:

“Deus é eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente justo e bom. ”
“Criou o universo, que compreende todos os seres animados e inanimados, materiais e imateriais. ”
“Os seres materiais constituem o mundo visível ou corporal; os seres imateriais, o mundo invisível ou espírita, ou seja, dos Espíritos. ”
“O mundo espírita é o mundo normal, primitivo, eterno, preexistindo e sobrevivendo a tudo. ”
“O mundo corporal é apenas secundário, poderia deixar de existir ou nunca ter existido, sem alterar a essência do mundo espírita. ”
“Os Espíritos vestem temporariamente um corpo material perecível, cuja destruição pela morte lhes devolve a liberdade. ”
“Entre as diferentes espécies de seres corporais, Deus escolheu a espécie humana para a encarnação dos Espíritos que atingiram um certo grau de desenvolvimento, o que lhe dá a superioridade moral e intelectual sobre os outros. ”
“A alma é um Espírito encarnado, sendo o corpo apenas o seu envoltório. ”
“Há três coisas no homem: 1ª) o corpo ou ser material semelhante ao dos animais e animado pelo mesmo princípio vital; 2ª) a alma ou ser imaterial, Espírito encarnado no corpo; 3ª) o laço que une a alma ao corpo, princípio intermediário entre a matéria e o Espírito.
“Assim, o homem tem duas naturezas: pelo corpo participa da natureza dos animais, dos quais tem os instintos; pela alma participa da natureza dos Espíritos. ”
“O laço ou perispírito que une o corpo e o Espírito é uma espécie de envoltório semi material. A morte é a destruição do envoltório mais grosseiro. O Espírito conserva o segundo, que constitui para ele um corpo etéreo, invisível para nós no estado normal, mas que pode tornar-se algumas vezes visível e mesmo tangível, como ocorre no fenômeno das aparições. ”
“O Espírito não é, portanto, um ser abstrato, indefinido, que somente o pensamento pode conceber; é um ser real, definido, que, em alguns casos, pode ser reconhecido, avaliado pelos sentidos da visão, da audição e do tato. ”
“Os Espíritos pertencem a diferentes classes e não são iguais em poder, inteligência, saber e nem em moralidade. Os da primeira ordem são os Espíritos superiores, que se distinguem dos outros por sua perfeição, seus conhecimentos, sua proximidade de Deus, pela pureza de seus sentimentos e seu amor ao bem: são os anjos ou Espíritos puros. Os das outras classes não atingiram ainda essa perfeição; os das classes inferiores são inclinados à maioria das nossas paixões: ao ódio, à inveja, ao ciúme, ao orgulho, etc. Eles se satisfazem no mal; entre eles há os que não são nem muito bons nem muito maus, são mais trapaceiros e importunos do que maus, a malícia e a irresponsabilidade parecem ser sua diversão: são os Espíritos desajuizados ou levianos. ”
“Os Espíritos não pertencem perpetuamente à mesma ordem. Todos melhoram ao passar pelos diferentes graus da hierarquia espírita. Esse progresso ocorre pela encarnação, que é imposta a alguns como expiação e a outros como missão. A vida material é uma prova que devem suportar várias vezes, até que tenham atingido a perfeição absoluta. É uma espécie de exame severo ou de depuração, de onde saem mais ou menos purificados. ”
“Ao deixar o corpo, a alma retorna ao mundo dos Espíritos, de onde havia saído, para recomeçar uma nova existência material, depois de um período mais ou menos longo, durante o qual permanece no estado de Espírito errante. ”
“O Espírito deve passar por várias encarnações. Disso resulta que todos nós tivemos muitas existências e que ainda teremos outras que, aos poucos, nos aperfeiçoarão, seja na Terra, seja em outros mundos. ”
“A encarnação dos Espíritos se dá sempre na espécie humana; seria um erro acreditar que a alma ou o Espírito pudesse encarnar no corpo de um animal. ”
“As diferentes existências corporais do Espírito são sempre progressivas e o Espírito nunca retrocede, mas o tempo necessário para progredir depende dos esforços de cada um para chegar à perfeição. ”
“As qualidades da alma, isto é, as qualidades morais, são as do Espírito que está encarnado em nós; desse modo, o homem de bem é a encarnação do bom Espírito, e o homem perverso a de um Espírito impuro. ”
“A alma tinha sua individualidade antes de sua encarnação e a conserva depois que se separa do corpo. ”
“Na sua reentrada no mundo dos Espíritos, a alma reencontra todos aqueles que conheceu na Terra e todas as suas existências anteriores desfilam na sua memória com a lembrança de todo o bem e de todo o mal que fez. ”
“O Espírito, quando encarnado, está sob a influência da matéria. O homem que supera essa influência pela elevação e pela depuração de sua alma aproxima-se dos bons Espíritos, com os quais estará um dia. Aquele que se deixa dominar pelas más paixões e coloca todas as alegrias da sua existência na satisfação dos apetites grosseiros se aproxima dos Espíritos impuros, porque nele predomina a natureza animal. ”
“Os Espíritos encarnados habitam os diferentes globos do universo. ”
“Os Espíritos não encarnados ou errantes não ocupam uma região determinada e localizada, estão por todos os lugares no espaço e ao nosso lado, vendo-nos numa presença contínua. É toda uma população invisível que se agita ao nosso redor. ”
“Os Espíritos exercem sobre o mundo moral e o mundo físico uma ação incessante. Eles agem sobre a matéria e o pensamento e constituem uma das forças da natureza, causa determinante de uma multidão de fenômenos até agora inexplicável ou mal explicada e que apenas encontram esclarecimento racional no Espiritismo. ”
“As relações dos Espíritos com os homens são constantes. Os bons Espíritos nos atraem e estimulam para o bem, sustentando-nos nas provações da vida e ajudando-nos a suportá-las com coragem e resignação. Os maus nos sugestionam para o mal; é um prazer para eles nos ver fracassar e nos assemelharmos a eles. ”
“As comunicações dos Espíritos com os homens são ocultas ou ostensivas. As comunicações ocultas ocorrem pela influência boa ou má que exercem sobre nós sem o sabermos; cabe ao nosso julgamento discernir as boas das más inspirações. As comunicações ostensivas ocorrem por meio da escrita, da palavra ou outras manifestações materiais, muitas vezes por médiuns que lhes servem de instrumento. ”
“Os Espíritos se manifestam espontaneamente ou por evocação. Podem-se evocar todos os Espíritos, tanto aqueles que animaram homens simples como os de personagens mais ilustres, qualquer que seja a época em que viveram, os de nossos parentes, amigos ou inimigos, e com isso obter, por meio das comunicações escritas ou verbais, conselhos, ensinamentos sobre sua situação depois da morte, seus pensamentos a nosso respeito, assim como as revelações que lhes são permitidas nos fazer. ”
“Os Espíritos são atraídos em razão de sua simpatia pela natureza moral do ambiente em que são evocados. Os Espíritos superiores se satisfazem com reuniões sérias em que dominam o amor pelo bem e o desejo sincero de receber instrução e aperfeiçoamento.
A sua presença afasta os Espíritos inferiores que, caso contrário, encontrariam aí livre acesso e poderiam agir com toda a liberdade entre as pessoas levianas ou guiadas somente pela curiosidade. Em todos os lugares onde se encontram maus instintos, longe de obter bons conselhos, ensinamentos úteis, devem-se esperar apenas futilidades, mentiras, gracejos de mau gosto ou mistificações, visto que, freqüentemente, eles tomam emprestados nomes veneráveis para melhor induzir ao erro.”.
“Distinguir os bons dos maus Espíritos é extremamente fácil. A linguagem dos Espíritos superiores é constantemente digna, nobre, repleta da mais alta moralidade, livre de toda paixão inferior; seus conselhos exaltam a sabedoria mais pura e sempre têm por objetivo nosso aperfeiçoamento e o bem da humanidade. A linguagem dos Espíritos inferiores, ao contrário, é inconseqüente, muitas vezes banal e até mesmo grosseira; se por vezes dizem coisas boas e verdadeiras, dizem na maioria das vezes coisas falsas e absurdas por malícia ou por ignorância. Zombam da credulidade e se divertem à custa daqueles que os interrogam ao incentivar a vaidade, alimentando seus desejos com falsas esperanças. Em resumo, as comunicações sérias, no verdadeiro sentido da palavra, apenas acontecem nos centros sérios, cujos membros estão unidos por uma íntima comunhão de pensamentos, visando ao bem. ”
“A moral dos Espíritos superiores se resume, como a de Cristo, neste ensinamento evangélico: ‘Fazer aos outros o que quereríamos que os outros nos fizessem’, ou seja, fazer o bem e não o mal. O homem encontra neste princípio a regra universal de conduta, mesmo para as suas menores ações. ”
“Eles nos ensinam que o egoísmo, o orgulho e a sensualidade são paixões que nos aproximam da natureza animal, prendendo-nos à matéria; que o homem que se desliga da matéria já neste mundo, desprezando as futilidades mundanas e amando o próximo, se aproxima da natureza espiritual; que cada um de nós deve se tornar útil segundo as capacidades e os meios que Deus nos colocou nas mãos para nos provar; que o forte e o poderoso devem apoio e proteção ao fraco, pois aquele que abusa de sua força e de seu poder para oprimir seu semelhante transgride a Lei de Deus. Enfim, ensinam que no mundo dos Espíritos nada pode ser escondido, o hipócrita será desmascarado e todas as suas baixezas descobertas; que a presença inevitável, em todos os instantes, daqueles com quem agimos mal é um dos castigos que nos estão reservados; que ao estado de inferioridade e de superioridade dos Espíritos equivalem punições e prazeres que desconhecemos na Terra. ”
“Mas também nos ensinam que não há faltas imperdoáveis que não possam ser apagadas pela expiação. Pela reencarnação, nas sucessivas existências, mediante os seus esforços e desejos de melhoria no caminho do progresso, o homem avança sempre e alcança a perfeição, que é a sua destinação final. ”
Texto extraído do “Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec.
Repassando...